O QUE É RESIDÊNCIA ASSISTIDA PARA IDOSOS?

A velhice é uma etapa que será vivenciada por qualquer ser humano, com a sua chegada também começam a surgir novas necessidades que não tínhamos vivenciado em outras épocas da nossa vida. Elas podem variar desde cuidados com alimentação, saúde, condicionamento físico dentre outros. Essa nova realidade exige uma necessidade de acompanhamento e assistência completa ao idoso.

Ao envelhecer e com o surgimento de novas demandas, o custo de vida dos idosos aumenta consideravelmente, e tanto ele quanto a família muitas vezes não possuem recursos adequados para dar suporte a essas requisições. Nesse contexto, as residências para surgem como uma solução para os idosos que estão vivenciado essa situação.

Muitos idosos e familiares optam por contratar os serviços de residências assistidas, pois dentre outras razões, a mensalidades delas são inferiores aos valores para manter uma casa particular, além de contarem com significativa infraestrutura e assistência para a qualidade de vida deles. Mas o que são as residências assistidas? O que levar em consideração na escolha de uma residência assistida? É o que você irá descobrir nesse artigo.

 

 

  • O QUE É RESIDÊNCIA ASSISTIDA PARA IDOSOS

 

 

O formato de uma residência assistida é baseado na prestação contínua de assistência a saúde dos idosos, proporcionando um ambiente favorecedor para uma vida mais cômoda. Elas oferecem um acompanhamento 24 horas por dia de uma equipe especializada. Conta com profissionais de diversas áreas como enfermeiros, psicólogos, educadores físicos, dentre outros.

A residência assistida presta uma alimentação balanceada, prática de exercícios físicos, atividades artísticas e culturais. Ademais, por residirem com outros idosos que possuem necessidades semelhantes as suas, há oportunidade de socialização entre eles e assim, melhorar a saúde mental e prevenir problemas de depressão, que são tão recorrentes em idosos.

É válido ressaltar que a permanência do idoso em uma residência assistida não abstém a família de acompanha-lo durante a velhice, sobretudo por esse ser um dever da mesma ao que se refere ao Estatuto do Idoso. Ademais, a presença regular da família é fundamental para a saúde mental dos idosos.

Nesse sentido, as residências assistidas estimulam o convívio com os familiares ao não estipularem horários de visitas aos idosos, assim as visitas se tornam mais frequentes e evitam que os idosos se sintam abandonados. Outra forma de trazer a família para o convívio é convidando-os para participarem de atividades de integração.  

É importante ressaltar que para embasar a decisão dos familiares sobre qual a melhor residência assistida para idosos, é necessário levar em consideração aspectos que vão além da questão financeira, abrangendo as vantagens assistenciais, qualificação profissional e infraestrutura que elas têm a oferecer aos idosos.

A escolha da residência assistida deve ser feita, sempre que possível, juntamente com o idoso. Ele precisa se sentir acolhido e bem assistido na nova residência, assim como deve ter clareza de que não se trata de um abandono, e sim como algo que irá contribuir para o seu envelhecimento saudável.

É importante que os familiares reflitam sobre o tempo que dispõem para prestar assistência ao idoso e se a rotina diária possibilita ou não que eles tenham tempo para dedicar a ele. Ter clareza quanto a isso, auxilia a família e o idoso a escolherem qual seria a melhor opção para a assistência desse último.

É comum que os filhos tenham oportunidade de se revezar entre si no cuidado do idoso durante as noites e precisem de apoio apenas durante o dia. Nesses casos uma alternativa seria a modalidade de Centro-Dia. Esses espaços funcionam durante turnos de 6, 9 ou 12 horas por dia, de segunda a sexta-feira.

Em espaços como o Centro-Dia, os idosos podem passar o dia e aproveitar todas as vantagens que a instituição tem a oferecer, como a convivência com outros idosos, assistência de profissionais, e a participação em algumas atividades interativas. Mas não dormem no Centro-Dia.

 

  • QUANDO CONTRATAR UMA RESIDÊNCIA ASSISTIDA?

 

 

 

Um dos primeiros aspectos que devem ser levados em consideração na decisão de escolher uma residência assistida, consiste na condição de saúde do idoso. Os idosos que apresentam diminuição das capacidades físicas e/ou cerebrais necessitam de maior atenção, assim como aqueles que têm problemas de saúde de cunho degenerativo e/ou crônicos como hipertensão, reumatismo, Alzheimer, artrose, dentre outros, necessitam de cuidados especializados tanto diurnos quanto noturnos.

Durante o processo de decisão quanto a contratação ou não de uma residência assistida, um dos principais movidos que levam as famílias a decidirem é a questão financeira, uma vez que percebem os gastos que acarreta o cuidado em casa se comparado com a mensalidade de uma residência assistida para o idoso.

Para prestar uma boa assistência ao idoso em casa, a família deve arcar com gastos de uma equipe de profissionais de saúde, assim como os encargos sociais e trabalhistas que acarretam a sua contratação, além de quatro cuidadores sendo dois para o dia e dois para a noite em escalas de plantão.

Além disso, e para que o idoso vivesse em um ambiente limpo e organizado, seria necessária a contratação de um profissional para limpeza da casa e preparação dos alimentos. E em alguns casos, quando o idoso reside sozinho, ainda a o acréscimo de valores como aluguel, condomínio, IPTU, e os demais gastos domésticos como com água, energia, gás, alimentos dentre outros.

A soma de todas as despesas em manter o idoso fora de uma residência assistida, onde ele teria grande parte das suas necessidades atendidas geralmente é muito superior ao valor cobrado pelas instituições em questão. Referimo-nos a quase todas as necessidades atendidas porque uma parte delas só pode ser suprida por familiares.

Para se fazer uma boa análise quanto as vantagens financeiras, os familiares deverão fazer uma listagem dos gastos que aportariam uma assistência de boa qualidade ao idoso, assim como a proposta da residência assistida. Além da questão financeira é de suma importância que a família e o idoso visitem as instituições e a opinião daqueles que estão nela.

A decisão sobre a contratação da residência assistida deve ser pensada coletivamente e de forma que assegure o bem-estar do idoso acima de tudo, não apenas quanto a sua saúde física, mas mental.



Deixe uma resposta